NOTÍCIAS

26/07/2014

Alunos de Harvard criam bolo em spray

                   O bolo em spray. Uma ideia de bom gosto (Foto: Reprodução)

A Universidade Harvard é famosa pelo seu histórico de alunos empreendedores e bem-sucedidos. Mark  Zuckerberg, criador do Facebook, estudou lá (ao menos por um tempo). Bill Gates e Barack Obama são ex-alunos. Os estudantes Brooke Nowakowski e John McCallum resolveram honrar a tradição de inovação.

Os dois criaram um bolo que fica pronto em segundos e mal faz sujeira: a mistura vem na forma de spray. Basta espirrar em um prato, forma ou vasilha, levar ao forno ou microondas e esperar.

O tempo de preparo do Spray Cake varia conforme a quantidade de bolo que você quer assar. Para um cupcake, por exemplo, bastam 30 segundos de microondas. Um bolo de verdade, 1 minuto. A ideia promete o paraíso para quem não sabe nem quer aprender a cozinhar, é preguiçoso ou simplesmente impaciente. A ideia surgiu cerca de um ano atrás, quando John McCallum estava sentado em sua aula de Ciência e Cozinha, tentando ter uma boa ideia que pudesse por em prática como projeto de conclusão de curso. Ele e os amigos descobriram uma obsessão: queriam encontrar formas de comer mais bolo.

McCallum desenvolveu a receita quando estava no seu primeiro ano em Harvard. De início, os colegas não pareceram muito entusiasmados. A única a enxergar o potencial do projeto foi sua colega Brooke Nowaski. Ela percebeu que, com alguns ajustes, a ideia poderia ir para as prateleiras dos supermercados. Os dois se concentraram em aperfeiçoar a receita – viraram namorados nesse meio tempo – até criar o Spray Cake. Estão a caminho de patentear a invenção. Por ora, a ideia já lhes valeu o primeiro lugar no Desafio de Inovação de Harvard em 2014, e um prêmio de US$10 mil.

Fica a dúvida se a ideia terá sucesso comercial. Fazer bolo assim é tão fácil que o produto pode fracassar pela conveniência. É famosa a história do bolo de caixinha, que explica o caso: originalmente, as misturas de bolo já vinham com ovo em pó. Bastava adicionar água, misturar e levar ao forno. O produto não decolou porque as pessoas tinham vergonha de servir a suas famílias um quitute produzido sem esforço algum. A indústria driblou a resistência ao criar um empecilho. A partir daí, as pessoas passaram a ter que adicionar ovo para o bolo ficar pronto. O trabalhinho a mais fez o produto decolar. Mas isso aconteceu na década de 1930. Os tempos são outros, provavelmente mais receptivos ao Spray Cake. Eu, pelo menos, compraria.